Dicas

Livro novo, eu quero!

Saiu na Folha de S.Paulo hoje, estou bem a fim de comprá-lo. Achei o preço um tanto salgado, não?

Comida
Da teoria à prática

Primeira publicação brasileira sobre técnicas de cozinha, "400 g" chega às livrarias na próxima semana

JANAINA FIDALGO
DA REPORTAGEM LOCAL


Por trás de um simples arroz branco feito em casa ou de uma receita superelaborada de restaurante, lá está ela: a técnica. Essencial em qualquer cozinha, caseira ou profissional, esse conjunto de processos é detalhado em um livro que será lançado na próxima quarta pela Companhia Editora Nacional.

Primeira publicação brasileira sobre técnicas de cozinha, "400 g" é um projeto executado a oito mãos por Betty Kövesi e pelos chefs Carlos Siffert, Carole Crema e Gabriela Martinoli, profissionais que há anos se dedicam ao ensino da gastronomia. Não por acaso, a obra é um desdobramento do conteúdo ministrado por eles no curso de fundamentos da paulistana Escola Wilma Kövesi de Cozinha.

"O livro é uma aula de cozinha. Tem muito a ver com o trabalho realizado aqui na escola", diz Betty Kövesi, que deixou a fonoaudiologia anos atrás para administrar a escola fundada pela mãe, Wilma. A experiência da sala de aula fica nítida na maneira didática como o livro foi estruturado. Primeiro são apresentados os conceitos básicos, como os métodos de cocção, os cortes e os fundos. Só então, os autores descrevem as técnicas clássicas e os ingredientes para, em seguida, ilustrarem cada assunto com as respectivas receitas. "Ao ensinarmos como se faz um braseado, a idéia é explicar a técnica correta, e não dar a melhor receita do mundo.

As receitas entram para explicar a teoria. Uma vez que a técnica for aprendida, cada um pode se arriscar e ir mudando uma coisa ou outra, e não ficar repetindo sempre as mesmas receitas", diz Gabriela Martinoli. Diferentemente da maioria dos livros de gastronomia, este não tem foto. Traz, porém, belas ilustrações de Dado Motta que casam com uma diagramação arejada e simpática.

"Este é um livro perene, e foto envelhece. Olhamos muitas obras que são ótimas no conteúdo, mas que, por terem sido escritas há muitos anos, têm um visual ultrapassado", diz Carole Crema. "E, na ilustração, o céu é o limite. Ela permite ressaltar, dar detalhes que a foto não dá", diz Carlos Siffert. Assim como outras publicações do mesmo gênero já traduzidas para o português, como o francês "Le Cordon Bleu: Todas as Técnicas de Culinária" e o americano "O Essencial da Cozinha", "400 g" deve atingir tanto estudantes de gastronomia quanto o público leigo que se interessa pelo tema.

"O conhecimento das técnicas é importante para qualquer um. Não interessa se é profissional ou dona-de-casa", diz o chef Maurício Lopes, professor de habilidades básicas da Anhembi Morumbi. "A desvantagem dos livros traduzidos é que, muitas vezes, são mencionados ingredientes que não temos aqui. É importante ter uma obra que trabalhe as necessidades do nosso público, usando os ingredientes daqui." Iniciativa louvável que, pela importância do conteúdo apresentado, mereceria mais espaço, as técnicas e termos empregados na cozinha brasileira aparecem em um capítulo especial escrito pela chef Mara Salles, do Tordesilhas.

"Ainda não há um trabalho mais aprofundado sobre as técnicas brasileiras. É algo que está por ser feito. Existe um desconhecimento e uma dose de preconceito muito arraigado. Julienne é um corte específico [fatias longitudinais] e universalmente conhecido, mas, se uma cozinheira mineira falar que corta a couve como um fio de cabelo, vão dizer que é coisa de dona-de-casa", diz Mara. "É óbvio que daqui a um tempo essa técnica brasileira vai ser mais elaborada. Mas, neste momento, não há como queimar etapas. Temos de aprender com o popular."
--------------------------------------------------------------------------------
400 G - TÉCNICAS DE COZINHA
Autores: Betty Kövesi, Carlos Siffert, Carole Crema, Gabriela Martinoli
Editora: Companhia Editora Nacional
Quanto: R$ 68 (576 págs.)

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq1309200725.htm (fechado para assinantes Folha e UOL)

Arigatô!

Acho que eu nunca disse por aqui, mas adoro comida japonesa . A minha iniciação nessa gastronomia não foi do dia para a noite, a primeira vez que comi os tais peixes crus achei estranhíssimo, mas, aos poucos fui tomando gosto. Hoje sou uma aficionada!

Costumamos freqüentar um restaurante em São Caetano, que se chama Sete Mares, vamos lá porque o rodízio de comida japonesa é barato e o restaurante é relativamente perto de casa. Mas, também já fomos a alguns em São Paulo e o último que fomos conhecer fica na Saúde e se chama Yukusue.

Fachada do Yukusue
Fachada do Yukusue

Fomos num sábado à noite eu, meu namorado, o pai dele e a namorada dele, a Rosa, que não gosta de comida japonesa, eheheheheh. Posso dizer a vocês que fomos bem servidos e tudo estava muito gostoso. O que me chamou atenção nesse restaurante foi o salmão grelhado (não tenho idéia do nome) que veio logo na entrada, em nenhum outro que eu já fui, esse item continha no rodízio. Os guiozas e harumakis estavam deliciosos .

Itens do rodízio
Cardápio do rodízio, foto do site do restaurante

Depois que vem todos aqueles peixes crus, salmão, atum, peixe branco, aquele arroz, putz, nunca sei o nome, quando quero mais, tento explicar para o garçom como era o aspecto daquele que eu gostei e mando bala: "então, eu queria mais daquele que parece meio empanado por fora, sabe qual é?",  "sim senhora, o hot roll, vou trazer".

É assim que funciona, e os garçons racham o bico, tenho certeza, principalmente quando eles trazem os palitinhos, "ohashi", e eu peço: "você pode trazer um com elástico, por favor?".  Eheheheheheh, comer de palitinhos é uma arte, admiro os orientais que comem até o arroz mais soltinho com eles.

Geralmente nos rodízios de comida japonesa, nunca comemos os pratos quentes, e no Yukusue não foi diferente. Mas a sobremesa, eu tive que comer: tempurá de sorvete! Delicioso! Coisa louca eles conseguirem fazer uma casquinha frita em volta do sorvete e ele não derreter. Para mim é mais um dos mistérios da culinária, e sabem que com certeza foi invenção de brasileiro, o mesmo com a inserção da maionese no temaki, outra iguaria deliciosa, hummmmm!

Temaki
O sensacional temaki!

Fica a dica para quem gosta de peixes crus e afins!

Serviço
Restaurante Yukusue
Filial Saúde
Avenida Miguel Stéfano, 435, Saúde, São Paulo
(11) 3881-3031 / 5072-3471
http://www.yukusue.com.br/


Um beijo com gostinho de final de semana!

Viva los argentinos

Cheguei! Voltando a postar depois de alguns dias sumida. Estou de volta e com boas histórias.  Vamos por ordem cronológica, hoje vou contar a minha experiência em uma restaurante argentino.

Nunca tinha ido em um, foi a primeira vez que comi a carne ao ponto argentino. Era aniversário do meu futuro sogro (eu ainda namoro, não casei!) e foi-se resolvido que comemoraríamos jantando fora. A escolha foi do aniversariante, o restaurante Parrilla Argentina que já havia saído na Revista Veja e tudo mais. Fomos, o restaurante fica no São Judas, saí do trabalho e fui encontrar namorado, sogro e cunhado no metrô Santa Cruz pra irmos.

Vale ressaltar que fomos muito bem servidos pelo garçom, que falava pelos cotovelos e explicava tudo tim tim por tim tim que você perguntasse (e o que não perguntasse também) a respeito de comidas, cortes, carnes e vinhos. Bem treinado o rapaz!

Para começar, decidimos pelas entradas: provoletta, que é um provolone na chapa com temperos, lingüiça toscana com e sem pimenta e pão de alho. Metade da mesa escolheu beber cerveja e a outra metade escolheu um bom vinho, eu fiquei na metade do vinho, que delícia! Era um tinto seco, chileno de 2005 que não lembro mesmo do nome. Ao primeiro gole, o danado era forte, depois de 10 minutos, hummmm, deliciosamente magnífico.

Fotos retiradas do site do restauranteFotos retiradas do site do restaurante
Lingüicinha e provoletta! Delícia...

Após as entradinhas, veio a escolha da carne. Como bons gulosos, queríamos experimentar de tudo, por isso pedimos quatro tipos diferentes: bife de chorizo, baby ancho, fraldinha e picanha com gordura. De acompanhamento: batata provençal. Assim, cada um de nós poderia experimentar os cortes genuinamente argentinos. Todas as carnes vieram ao ponto argentino que é bem mais mal passado do que o mal passado brasileiro.  Pedi para os meus pedaços serem passados mais um pouco, tipo, aquela vermelhidão da carne me assusta.

Fotos retiradas do site do restauranteFotos retiradas do site do restaurante
Baby ancho e bife de chorizo, respectivamente!

Ai, ai, como é diferente comer um bife de chorizo e um bife de contra filé mal passado, o primeiro derrete na boca e o segundo detona os seus dentes. As batatinhas, orientados pelo garçom falante, nós cortamos ao meio e regamos com azeite, alho frito e salsinha.

Nem sei dizer pra vocês o quanto comi! E fiquei extremamente satisfeita. Quem me dera pudesse comer essa carne macia todos os dias. Mas, voltando à realidade, sabe que, apesar de estar tudo muito bom, não deixo de lado a minha carne de panela feita com miolo de acém bem cozido com legumes! E viva a diversidade e a opção! Arriba hermanos argentinos...

Serviço
Restaurante Parilla Argentina
Rua Professor Souza Barros, 493, São Judas, São Paulo/SP 
Tel.: (11) 2577-6616
http://www.parrillargentina.com.br

Um beijo com gostinho de baby ancho!  

Lingüiça recheada

Olá a todos os meus queridos visitantes. Semana passada eu fui até um bar novo lá pros lados do ABC, precisamente em Santo André, chamado Amendoim, o porquê do nome? Simples! Lá eles dão aqueles amendoins de praia, com casca e tudo e essa mesma casca pode ser jogada no chão. Pra quê? Fiz a mesmíssima pergunta, em tempos de sociedade ecologicamente correta, consciência ambiental, não cabia essa proposta. Me responderam que é por conta do barulhinho que faz quando alguém pisa. E não é que é gostoso e relaxante mesmo? Gostei.

Mas, falando de comidas, claro, sexta-feira à noite é dia de cerveja. E cerveja precisa vir acompanhada de pestiscos de botequim. Os meus preferidos são batata-frita (mais básico impossível) picanha no réchaud, calabresa acebolada e um filé mignon ao catupiry do Bar Central, de São Bernardo, que é tudo de bom.

Nesse dia, seguindo recomendações de Maria Clara, que já havia estado no bar antes e estava conosco na ocasião, pedimos pão de alho . Hummm, e que pão de alho maravilhoso! Ele é pequenino e vem com um pouco de queijo dentro. Sensacional!

E dá-lhe cerveja e amendoim!  Precisávamos de mais algum acompanhamento. A escolhida foi a lingüiça! E que lingüiça! Lingüiça recheada, nunca tinha comido, no máximo apimentada, mas recheada nunca. Show de bola!

Escolhemos uma recheada com rúcula e parmesão, a danada, feita na brasa, chegou tinindo na mesa. Quando cortei-a, vi aquele queijo se derretendo todo, nossa, mas que deliciosa! Recomendo.

Vou dar uma chegadinha no mercado municipal de São Paulo para ver se encontro algumas lingüiças recheadas e diferentes assim. Alguém me recomenda algum outro lugar? Estou realmente apaixonada pelas danadas recheadas.

A propósito, ontem, dia 21/06, o Marcelo Katsuki fez um post sobre lingüiça também! Dêem uma olhadinha, trata-se de uma danadinhas (inhas porque são pequenas) defumadas que ele encontrou lá no mercadão. Hummm... ééééééé, as lingüiças estão dominando, minha gente.

Um beijo com gostinho de lingüiça de parmesão!  

Plantão = comer bem!

Olá a todos . O fim de semana foi bem movimentado por causa do papa Bento 16, aqui no UOL ele deu bastante trabalho. E, como esse fim de semana, o plantão era meu, também tive bastante trabalho . Como é de praxe, cada vez que damos plantão por aqui, comemos bem, não posso negar. E eu comi bem e quero dividir com vocês.

No sábado a minha opção foi por comida árabe. Hummm, pedi no Restaurante Arábia. Minha refeição foi fatuch (salada preparada com tomate, pepino, alface, rúcula, cebola, rabanete, salsinha, hortelã e pão árabe torrado, temperada com azeite de oliva, summac e essência de romã), arroz marroquino (arroz com frango desfiado e amêndoas picadas) e quibe assado. Estava tudo muito bom. Recomendo a comida do Arábia para que mora em São Paulo, não irão se arrepender.

Quibe assado
Quibe assado, imagem do Google, eu confesso!

E no domingo, comi hambúrguer do America. Minha escolha foi o barbecue burger (hambúrguer de picanha de 150g, com queijo prato derretido, bacon crocante, cebola grelhada e molho barbecue, no pão com gergelim). Saboroso por demais! O America é tudo de bom, uma das melhores hamburguerias da cidade.

Barbecue Burguer
Barbecue burguer, imagem do site do America

Serviço:
America Delivery – 5644-2222 – www.restauranteamerica.com.br
Arábia Delivery – 3815-3331 - www.arabia.com.br

É isso, como esse fim de semana foi de trabalho intenso, não tive tempo de me aventurar culinariamente, por isso, só o relato das minhas orgias gastronômicas . Espero que gostem das dicas.

Um beijo com gostinho de homus!  

Escondidinho fácil e gostoso

Escondidinho


Gente, só estou passando rapidinho para falar de uma 'pastutcha' que minha mãe fez dias atrás. Vou te falar, mamãe é extremamente criativa na cozinha e, como a minha vó, cozinha bem pra caramba.

Pois bem, ela resolveu fazer um lance diferente, que nunca tinha feito lá em casa e não é que ficou bom?!? É o seguinte: ela cozinhou um peito de frango como de costume, com caldo de galinha e temperos comuns e desfiou-o. Cozinhou algumas batatas e fez um purê de batatas misturando leite. Receita básica.

Aí é que vem o segredo. Daí, ela foi fazer meio que um escondidinho de frango com purê. Belo nome!  Começou com uma camada de purê, colocou um pouco de frango desfiado, mais purê, mais frango, finalizou com purê e colocou queijo mussarela por cima. Gratinou por alguns minutinhos e serviu com arroz branco e salada verde.

Hummm, jantinha mais caseira e gostosa que essa não há. Aprovamos (eu e meu irmão) a 'invenção' da minha mãe e já a incumbimos de fazer novamente.  Porque teve uma vez que minha mãe inventou de fazer escondidinho de purê de mandioquinha com carne seca que demorou demais, ninguém merece. Quando ela serviu, já estávamos verdes de tanta fome.

Essa semana fiquei meio relapsa em visitar os blogs amigos, muito trabalho . Mas, minhas novas amigas-blogueiras Claudia, Eliana, Verena, Neuma e Mónica me aguardem que já, já apareço por aí pra ler as maravilhosas e chiquérrimas receitas de vocês.

Um beijo com gostinho de fim de semana!

Caderno online

Pessoal, ando visitando muitos 'receitóblogs' e achado receitas muito boas. Aí pensei, como juntá-las, sem ter que imprimi-las antes de usar e conseguir acessá-las de qualquer lugar do mundo? O Google Textos e Planilhas me arrumou a solução. Excelente ferramente. Testem!

Fiz um documento em que fui colocando as minhas receitas favoritas. Quem quiser dar uma olhada na minha seleção que começou a ser feita hoje, acesse: http://docs.google.com/Doc?id=dc33h9bp_3drbjq9

Um beijo com gostinho de queijo de minas!

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
BlogBlogs.Com.Br



Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, SAO BERNARDO DO CAMPO, Mulher, de 20 a 25 anos, Portuguese, Gastronomia, Informática e Internet
Visitante número: